Um parto feliz… por mero acaso!

Um casal desloca-se a um centro de saúde, a mulher está grávida.  Segundo a versão relatada pelo marido, ao primeiro jornal da SIC, a médica diz não ser parteira e por isso não poder fazer nada. A enfermeira responde nos mesmos moldes e a grávida, o marido e a sua mãe são enviadas numa ambulância, apenas com um motorista, para a maternidade mais próxima a mais de 120 km, a mais de duas horas.

Apenas 20 km do centro de saúde,  foi a mãe da grávida e o motorista que tiveram que ajudar a criança a nascer. Um parto difícil dizem.

Depois, veio uma ambulância melhor, uma equipa médica e até um helicóptero… talvez para nos fazer pensar que não estamos no terceiro mundo, que estamos na Europa.

No entanto, é pura ilusão.

Os pais culpam a enfermeira que se recusou a acompanhá-los, por não receber horas extraordinárias. Poderíamos culpar a médica que não avaliou convenientemente a situação. Poderíamos  culpar muita mais gente, mas, se a previdência não tivesse feito o seu papel, uma criança e a sua mãe poderiam ter perdido a vida…. Nenhuma reclamação as traria de volta.

Apesar da crise, vivemos hoje melhor que há 50 anos. Hoje não nascemos em casa, como eu nasci. Hoje dirigimos-nos às estruturas que pensamos   nos  poderem ajudar quando precisamos de ajuda médica ou de nascer! Entretanto, perdemos as parteiras que, há 50 anos, nas casa das vizinhas, nos ajudavam a nascer. Hoje as médicas já não são parteiras, as enfermeiras também não… Valham-nos as mães que ainda  recordam  como se faz… Afinal, também elas pariram… pelo menos uma vez!

Estamos a regredir, no tempo e geograficamente… Todos pensamos que caminhávamos para norte e, no entanto, cada vez temos mais indícios de que nos deslocamos, a grande velocidade, para sul!

Anúncios

2 pensamentos sobre “Um parto feliz… por mero acaso!

  1. 120 km?!?!?!?!? Cruzes! Que sorte ter corrido bem!!! Se não…
    Eu pergunto-me como é que a médica não pôde fazer o parto… caramba… se a coisa está adiantada… como é que um bombeiro e uma mãe fazem o que uma médica estudou na faculdade (mesmo que não sejam dessa especialidade, passam por lá durante o curso)?!?!
    Horas extra??? Eu até compreendo, mas ao mesmo tempo… não compreendo nada. Deve ser uma enfermeira frustada que queria ir para medicina mas era burra e não chegou lá…

    dá-me raiva… tudo! a atitude da médica e da enfermeira. Ec, claro, todo o sistema, que, como o João diz de forma tão poética, se desloca a grande velocidade para sul… :s

    Gostar

  2. e pensar que em Inglaterra há um retorno às parteiras. Parece que o plano é que cada mulher possa ter uma parteira na zona de residência para poder ser seguida/encaminhada/assistida em caso de necessidade.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.