E se um dia

E se um dia deixasses de me amar?
Ou de conseguir ver?
Ou mesmo de respirar?

E se um dia acordasses sem vontade de acordar?
Ou de voltar a adormecer?
Ou apenas de olhar para mim?
Ou de me ouvir?
Ou de me ver?

E se um dia visses o que mais ninguém consegue ver?
E me odiasses
por estar perto?
ou longe?
ou por calar?
ou por dizer?

E se um dia
esse dia chegar
Quero que saibas que eu
nesse dia
não deixarei de te amar

Anúncios

4 pensamentos sobre “E se um dia

  1. Gosto! Parabéns, poeta. 🙂

    Lembra-me uma parte de um dos meus “devaneios”:

    Dizer-te que a noite
    é um monstro que nos devora
    não apaga a tua sede de estrelas.

    Ainda que saibas que o rio
    sempre se perderá na imensidão
    do mar
    não deixarás de percorrer
    as suas margens.

    Ainda que eu saiba que corres,
    como o rio,
    em direcção ao mar,
    não deixarei de te amar.

    Não deixarei de perseguir
    o teu olhar de água,
    os teus dedos delicados,
    como são delicados os caules
    das flores que colhias para mim.

    Não deixarei de seguir o curso
    da tua voz, poderosa como o leito
    do rio que persegues.

    Fica bem, João.

    Beijinho

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s