Salgueiro Maia

Estou a ver um documentário sobre Salgueiro Maia. Se Portugal deve alguma coisa a alguém esse alguém é ele. Esteve onde teve que estar e depois afastou-se.

No documentário assumem, rindo, como lhe mentiram. Perguntou se naquele dia haveria generais no comando e asseguraram-lhe que sim, mentindo. Hoje contam isso rindo, afinal estamos em Portugal e ser Xico-esperto, em Portugal, é bem visto.

No documentário assumem que depois de 25 de abril de 1974 não era fácil ser seu superior hierárquico, não por ele, mas por que não era fácil comandar alguém que já tinha demostrado a sua valentia e que todos respeitavam, conheciam  e cumprimentavam.

Nunca lhe  perdoaram a sua valentia. Nunca reconheceram devidamente o seu valor nem pagaram a dívida que todos nós ficamos para com ele. O poder está, normalmente, nas mãos de cobardes e esses têm medo que os corajosos o tomem para si.

Morreu em abril, há 25 anos. Pediu para que no seu funeral cantassem Grândola Vila Morena para que aqueles que lá fossem apenas para aparecer na fotografia, pelo menos, a ouvissem.

Morreu em abril, há 25 anos, mas talvez não seja tarde ainda. Podemos ainda estar a tempo  de lhe agradecer como merece, mesmo que não seja o seu nome que imediatamente nos vem à cabeça quando pensamos em  designações para aeroportos.

Veja a reportagem aqui

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s