Simplesmente

Era simplesmente simples e apenas fazia coisas simples que se faziam simplesmente ou que ele fazia parecer simples. Nunca complicava o que era simples e vivia numa simplicidade que muitos invejavam, quando, simplesmente, complicavam o que sempre fora simples. Vivia de forma simples, não gastando o que nao ganhava e não ganhando o que simplesmente não precisava. Tinha pouca coisa de que não precisava, porque … Continue a ler Simplesmente

Vendedores de sonhos

As tecnologias permitem partilhar aquilo que escrevemos, fotografamos e até aquilo que fazemos. É natural que surjam alguns elogios. Os primeiros vindo dos pais e da família, depois talvez alguns dos amigos mais próximos e dos vizinhos, até ao fim da rua. Se tivermos um blogue isto pode bastar para que nos sintamos escritores e podemos até ser abordados por uma editora que nos propõe … Continue a ler Vendedores de sonhos

Trás-os-Montes

Ir a Trás-os-Montes é sempre uma aventura. É o cheiro da terra, são as paisagens e, sobretudo, são as pessoas. Desta vez, além das pessoas que estão por lá e que nos recebem sempre tão bem, levamos connosco outras pessoas, algumas que nem conhecíamos, com o pretexto de irmos caminhar. Foram três dias fantásticos onde, como em todas as boas aventuras, acontece de tudo. Bem … Continue a ler Trás-os-Montes

Por vezes complicam…

As tecnologias deveriam facilitar-nos a vida. Há, no entanto, imensos exemplos de situações em que, a partir do momento que as utilizamos, uma tarefa que parecia ficar facilitada, de repente, fica mais complicada! Poderia dar imensos exemplos, mas, pela quadra que acabamos de atravessar, tomemos como exemplo os votos de boas festas e bom ano novo! Aparentemente, as tecnologias deveriam facilitar o processo de desejarmos … Continue a ler Por vezes complicam…

Olhar sem ver.

Por vezes esta bem à nossa, sempre esteve e não o vemos. Há dias, no facebook, alguém perguntava a idade  com que vimos pela primeira vez um 8, desenhado a branco, no centro da carta 8 de ouros. Tive que responder que nunca tinha visto, essa como tantas outras coisas que temos todos os dias debaixo do nariz mas que não vemos! E você, sabia … Continue a ler Olhar sem ver.

Não, não é peta!

Parece que a PETA, People for the Ethical Treatment of Animals, quer alterar ditos populares  de forma a eliminar a cultura de violência contra os animais.  Os ditos populares, na  minha opinião, são populares precisamente porque o povo os começou a usar e passaram de geração em geração, há várias gerações. Embora queiram “pegar o touro pelos cornos”, esquecem-se que “mais vale um pássaro na … Continue a ler Não, não é peta!

Aprender a programar ou programar para aprender?

Há dois grandes argumentos para defender a necessidade de aprender programação na escola. O primeiro, que é muitas vezes usado, é que iremos precisar de muitos engenheiros informáticos para programar e controlar todas as máquinas de que precisamos. Devemos pois ensinar os alunos a  programar. O segundo, aquele de que mais gosto, é que precisamos de os ensinar a  programar para aprenderem mais e melhor! … Continue a ler Aprender a programar ou programar para aprender?

Mau demais, mas é verdade!

Quem utiliza redes sociais sabe que não podemos confiar em tudo o que lemos. Se a notícia tiver como título: “pasteleiro despedido por fazer buracos dos donuts com o pénis”  desconfiamos da sua veracidade. Se abrirmos e lermos a notícia descobrimos que está alojada no site “tafeio . com . pt/” onde nos informam que: Depois de ler isto, fica a nosso critério partilhar ou … Continue a ler Mau demais, mas é verdade!