às nove no meu blog!

Como muitos outros blogues, o ninguém lê utiliza um sistema de estatísticas. Entre outras coisas consigo saber de onde chegam os poucos (mas bons) visitantes que não lêem este blogue… Tenho reparado, nos últimos tempos,  que uma parte significativa das visitas chegam vindos de um blogue chamado “às nove no meu blog“. Na realidade, mais de metade do tráfego vem de lá! E mais estranho ainda nem todos às 9:05! Assim, aqui fica o meu agradecimento público à dona do referido espaço, Miss Glitering,  pela ligação para cá,  com votos de que não a retire sob pena deste espaço fazer, cada vez mais,  jus … Continuar a ler às nove no meu blog!

Quase um post…

Quase um Poema Quero falar-te do silêncio e de como, nas horas de degredo, amor e ódio se confundem. Quero contar-te como, nas esperas, a alma se perde em devaneios, como as mãos se afundam, esquecidas, no regaço, sem vida que as eleve. Quero ouvir-te clamar, aos quatro ventos e aos deuses todos, que o amor é só um jogo que eles inventaram para iludir a solidão. Deep Gostava de saber fazer um post que me tornasse digno de “roubar” este quase poema. Desculpa Deep, não resiti a roubar-te dois dias de seguida… Talvez seja por isso que frequento  poucos blogues… Não … Continuar a ler Quase um post…

Não me mande flores…

Tive a honra de receber a visita da Camila F., que até deixou um comentário e tudo (obrigado). Digo a honra porque isto de ter um blogue que ninguém lê e receber a visita de uma bloguer que tem sempre imensos comentários e é jornalista… Não é todos os dias! Mas, além do número elevado de comentários, o que me chamou a atenção foi o nome do blogue: “Não me mande flores“. Só pode estar incompleto, é a única explicação que encontro. O nome, que certamente não cabia no cabeçalho, deve ser: “Não me mande flores, prefiro perfumes ou jóias!” Continuar a ler Não me mande flores…

Textos…

Um texto que acaba com este Post-Scriptum, escrito sob esta pressão: “(Uma da manhã. A minha vizinha de baixo, a dentista venezuelana, demora que se farta a atingir um orgasmo. Já não posso ouvir a mulher gemer. Uma pessoa quer escrever um texto lacrimoso sobre sua mãe e não consegue concentrar-se. Puta da venezuelana.)” …merece ser lido (embora nem só por isso!) in ana de amsterdam Continuar a ler Textos…