O meu amigo Filipe

Fez ontem anos, mas não só. Ontem fez a dobradinha e, no dia em que completou 35 anos, defendeu a tese de Doutoramento também. Conheci o Filipe em Amsterdão, há seis anos. Participávamos ambos numa conferencia e não havia muitos portugueses por lá. Uma dezena, no máximo. Já o conhecia de nome, por saber que trabalhava com a linguagem de programação Scratch num projeto e, … Continue a ler O meu amigo Filipe

O meu amigo Fernando

Quem passa por aqui já percebeu que, por vezes, isto puxa um pouco para o sentimentalismo. No fundo, ter um blogue que ninguém lê permite-nos escrever aquilo que nos vai na alma e verter em palavras sentimentos que gostamos de partilhar com uma pessoa mas que não nos importamos que outras leiam. Neste processo, de falar aqui daqueles que para mim são importantes, dei-me conta, … Continue a ler O meu amigo Fernando

A Isabel

A Isabel começou por ser uma amiga, há muitos anos, quando nos sentávamos um à frente do outro nas aulas de matemática. Continua a sê-lo, agora que se senta ao meu lado em quase todas as refeições. Mas é, sobretudo, uma companheira de caminhadas, de viagens, de aventuras, das horas boas e das horas más. Hoje é o seu dia. Faz hoje a idade que … Continue a ler A Isabel

O queijo de minha mãe.

Poderia falar aqui do beijo de minha mãe, mas, hoje, quero falar apenas do queijo que ela fazia. Descobrimos recentemente uma queijaria, em Travanca, perto de Macedo de Cavaleiros, que faz um queijo que denomina “Bornes”. Ficamos curiosos, porque “Bornes” é também o nome da minha serra, da serra onde eu cresci, da serra onde o meu pai pastoreava cabras e ovelhas que davam leite … Continue a ler O queijo de minha mãe.

A tia Nela

Se costuma passar por aqui, tenho a certeza que sabe da minha ligação a Trás–os-Montes. No entanto, chegar a Trás-os.Montes é sobretudo chegar perto das pessoas que estão lá. Algumas das vezes, nos últimos anos, que temos ido a Trás-os-Montes encontramos por lá o Tio Zé e a Tia Nela. Não vivem lá, mas temos tido o prazer da sua companhia algumas vezes que nos … Continue a ler A tia Nela

O meu amigo José Augusto Baptista!

Transmontano como eu, deixou há muito Trás-os-Montes para rumar a África, primeiro como soldado e depois como bancário e homem de negócios. Quando voltou para Portugal, como tantos outros, tinha o negócio no sangue e continuou a gerir os seus negócios a partir da zona do Porto, mas andando por todo o País. Ouvir as suas aventuras é uma delícia. Há sempre uma anedota pronta, … Continue a ler O meu amigo José Augusto Baptista!

O amigo António

Avisa-me o Facebook que hoje faz anos o amigo António Rodrigues. Não consigo passa à frente indiferente sem, além do “Parabéns, amigo António” que já lhe deixei na sua página vir aqui, mesmo que à pressa escrever mais duas linhas. Conheço o António há bastantes anos, talvez mais de 20. Mas foi nos últimos anos 7 ou 8, quando o CCTIC que ele dirige e … Continue a ler O amigo António

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

Foi neste dia 27 de janeiro, em 1945, que as tropas soviéticas libertaram o  Campo de Concentração e Extermínio Nazi de Auschwitz-Birkenau, perto de Cracóvia, na Polónia. Nunca estive lá, mas lembro-me de telefonar ao meu filho no dia em que o visitou, numa altura em que fez um interraill, e de sentir, na sua voz, todas as emoções desse dia. Há meia dúzia de … Continue a ler Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

E se em vez disto… aquilo!

A propósito da campanha dos lábios vermelhos, vejo que alguns propõe outros assuntos de indignação e, se calhar, com razão. No entanto, não é nova esta estratégia de quando alguém defende uma causa virem lembrar que há outras. Ajudam estes, quando deveriam ajudar aqueles…. Chamam a atenção para isto, quando deveriam chamar para aquilo, Lembram-se dos velhos quando esquecem os jovens, ou dos jovens quando … Continue a ler E se em vez disto… aquilo!

Aquela coisa

As televisões, a pretexto da campanha para as presidenciais, passam imagens daquela coisa dizendo e defendendo barbaridades que deveriam colocar alerta todos os que tenham, pelo menos, dois neurónios. Da América chegam ecos de como aquelas coisas se agarram ao poder, de como manipulam, de como são perigosos. Não se coíbem de mentir, de propagar falsidades de semear o caos! Não é preciso saber muito … Continue a ler Aquela coisa